Unidade Curricular de Pensamento Computacional

Coloco aqui algumas questões que eu gostaria de abordar antes de entrar nos por menores da elaboração, caso fosse elaborar o módulo “Pensamento Computacional”. Devem servir de provocação ao Leonardo Barichello, autor do módulo de Pensamento Computacional.

  1. O que as pessoas precisam saber sobre Pensamento Computacional para exercerem plenamente a cidadania?
  2. De que maneira o conhecimento dessas coisas (item anterior) contribuem para o pleno exercício da cidadania?
  3. O que os especialistas dizem dessas perguntas?
  4. Como Pensamento Computacional aparece nos currículos mundo a fora?
  5. E nas propostas curriculares das organizações da sociedade civil (SBC, CIEB)?

Uma vez que essas questões estiverem claras, acredito que seja a hora de confrontar as habilidades da BNCC com elas.
6) São essas 2 as habilidades certas?

Fábio, obrigado por puxar a discussão!

Algumas dessas questões estão na minha lista para a próxima reunião do grupo e para outras eu tenho tentativas de resposta.
Porém, curiosamente, o meu raciocínio seguiu a ordem oposta da que você sugeriu: dado o que está posto nas duas habilidades (ou três, se incluirmos a EM13MAT203) e na BNCC como um todo o que eu posso fazer para contribuir com 1 e 2? E que se alinhem a 3, 4 e 5?

Mas pensando na ordem que você sugeriu, a minha sensação é que essas 2 habilidades ficam muito aquém de qualquer proposta (internacional, nacional) acerca do tema pensamento computacional, por isso meu esforço tem sido no sentido de identificar um “pacote de elementos” compatível com o tempo disponível mas que ainda faça sentido.

Fiquei pensando na sua pergunta, Fábio, especialmente nos itens 1 e 2.

O módulo sobre Pensamento Computacional tem uma peculiaridade: não tem nenhuma amarra com ENEM ou vestibulares. Isso, por um lado, me dá flexibilidade para escolher o que enfatizar. Por outro, deixa muitas possibilidades em aberto.

Levando em conta o tempo que posso ocupar com esse módulo, as possibilidades da escolas públicas brasileiras e o fato de não poder contar com muitos pre-req (o único relacionado com que posso contar é o uso de fluxogramas), estou chegando à conclusão de que a maior contribuição que posso dar é oferecer uma introdução ao universo de programação de computadores de modo que o estudante se sinta confortável para continuar esses estudos em algum curso técnico, superior ou de forma autônoma (sobram opções nessa área para isso).

Por ser um ferramental quase onipresente hoje em dia, imagino que essa contribuição pode ser muito útil a quase qualquer estudante.

O que acham?